Primeiro contrato de terceirização na Cultura em Porto Alegre foi anulado por irregularidade após um mês

Foto: Joel Vargas / Divulgação,PMPA

Os projetos para contratualização dos espaços culturais avançam em Porto Alegre. No entanto, nesta semana veio a público o primeiro problema com a implementação desse modelo de gestão. 

Segundo informações da newsletter Matinal, o contrato que acertava a primeira terceirização do gênero, do Centro Cultural Multimeios (Av. Ricardo Leônidas Ribas), na Restinga, foi anulado um mês após ser assinado, em 21 de outubro de 2019.

De acordo com a reportagem, a negociação foi abortada em 26 de novembro passado, após a descoberta de que o então vice-presidente do Instituto Acessibilizar — vencedor da concorrência —, Félix Buava Kila, era servidor da prefeitura. E Kila trabalhava justamente no espaço a ser terceirizado, a serviço da Secretaria Municipal da Cultura (SMC).

A dupla função estava proibida conforme o edital do acordo. Segundo o secretário municipal da Cultura, Luciano Alabarse, o contrato foi sustado logo depois de a irregularidade ser percebida. 

A decisão foi mantida mesmo após o vice-presidente ser afastado do quadro da  Acessibilizar. Agora, Félix enfrenta um processo interno de sindicância da Secretaria, que vai apurar sua conduta no caso. 

— Houve um erro da equipe que examinava esse contrato. Mas a mesma equipe, mais tarde, identificou o equívoco. No mesmo momento, sustamos o contrato. Nenhuma verba foi repassada. É preciso admitir que houve uma falha nesse processo, mas também apontar que esse falha foi imediatamente corrigida — afirma Alabarse. 

A contratualização foi tomada como modelo pela administração do prefeito Nelson Marchezan, que espera ainda terceirizar instituições culturais como o Atelier Livre Xico Stockinger, a Pinacoteca Ruben Bertae a Cinemateca Capitólio

O incidente com o Centro Cultural Multimeios não muda a convicção de Alabarse de que o padrão de contrato é positivo para os equipamentos culturais da cidade.

— Não se pode, por um erro humano isolado, colocar em risco toda uma política cultural —pondera.

Segundo a Matinal, os problemas envolvendo a primeira tentativa de terceirização na Cultura não foram divulgados pela prefeitura, e a dissolução do contrato também não foi publicada no portal da transparência de Porto Alegre. Alabarse, no entanto, não concorda que houve tentativa de abafar o caso: 

— Quem instaura uma sindicância não está abafando nada. Pelo contrário, está dando luz a uma situação para apurar as responsabilidades. A própria Secretaria errou, identificou o erro e o corrigiu. A sustação do contrato está no processo que já foi repassado para a Procuradoria-Geral do Município (PGM).

Acesse a notícia: https://gauchazh.clicrbs.com.br/cultura-e-lazer/noticia/2020/02/primeiro-contrato-de-terceirizacao-na-cultura-em-porto-alegre-foi-anulado-por-irregularidade-apos-um-mes-ck6s6irnc0i0j01mvrbtjnno4.html

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s